Carta para os que aceitaram o fim de um grande amor

Rodrigo,

Confesso que foi difícil me levantar da cama esta manhã. Estava me sentindo completamente exausta, como se não tivesse pregado os olhos a noite inteira – e talvez eu não tenha mesmo.

Durante os primeiros vinte minutos na cama não consegui parar de reviver tudo o que falamos um para o outro, mas o que me deixou mais angustiada foi o que não falamos. Tudo aquilo que ficou apenas vagando pelas nossas mentes enquanto nossos olhares gritavam que, apesar de precisar ser daquele jeito, não era o que queríamos.

A vida é muito louca mesmo. Até agora eu não consegui entender muito bem tudo o que aconteceu entre nós. Foi tanto sentimento em um espaço de tempo tão curto, que de vez em quando tenho a sensação de que estava me afogando. Era como se os sentimentos estivessem sempre em excesso, me proibindo de enxergar o que eu precisava e me fazendo mergulhar em tudo aquilo que a nossa conexão me fazia sentir.

Acho que se pudesse definir o nosso relacionamento em uma metáfora seria exatamente isso. Estávamos sempre quase afundando, faltava ar, faltava respirar. Em um primeiro momento isso parece muito ruim, mas foi tão profundo que me fez entender que o fim não poderia ser fácil, tinha que ser doloroso. E continuará sendo por um bom tempo.

Não sei como vou terminar o dia hoje, como será amanhã ou nas semanas seguintes. Não faço ideia se continuarei chorando o tempo todo, se a vontade de levantar da cama todos os dias irá reaparecer, se a vida voltará a ter graça e cor. Realmente não sei. O que eu sei hoje é que está doendo.

Acho que o pior de tudo não é chegar ao fim, mas aceitá-lo. O pior de tudo é precisar absorver a tempestade e internalizar que não poderia ser de outro jeito. Confesso que ainda não consegui. Apesar de já enxergar que o fim chegou, ele ainda não faz muito sentido na minha cabeça. E tenho certeza de que as coisas só vão começar a melhorar quando eu aceitar esse doloroso ponto final.

Vai passar. Eu preciso acreditar que vai. E então tudo vai ficar bem. Nós vamos ficar bem, né? Mesmo que não seja seguindo o mesmo caminho, preciso acreditar que vamos conseguir seguir algum caminho daqui em diante.

Com amor,

Mari.

 

Anúncios

Escrito por

Criadora do Para Preencher e autora do romance "Lola & Benjamin", acredita que as palavras têm poder próprio e são capazes de transformar, inspirar e libertar.

Um comentário em “Carta para os que aceitaram o fim de um grande amor

  1. Gabriel,
    Sei que não você não gostaria dessas coisas mas, devo finalmente dizer que é um alívio conseguir escrever isso. Acredito que porque isso é como se fosse uma confirmação de que tudo acabou. Todos os nossos olhares que diziam mais que nossas palavras, são vazias coisas agora. E devo confessar que mesmo depois, ainda tentei ver algo que mesmo você não identificou, talvez um sentimento a mais. Necessitava de algo que me dizia que não era só eu no caminho que era suposto para nós. Mas acabei por espiar o caminho ao lado. Não era um dos mais sentimentais, mas adorei o fato de que era iluminado. Olhando, percebia que não seria só eu feliz comigo mesma, estava em um sentimento mútuo com você. Estávamos contente e triste pelo que sentimos e passamos, mas ambos sabíamos que era o melhor para o outro.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s