Comportamento

Como você cuida dos seus sonhos?

Sempre fui sonhadora. Cultivo meus sonhos com cuidado e carinho. Porém, o que mais me dá orgulho é como sempre (ou quase sempre) consigo tirar os meus sonhos do plano imaginário e transformá-los em realidade. Essa é uma das coisas que me dá mais prazer na vida. Construir esses sonhos do zero e vê-los tomando forma pouco a pouco.

Nem sempre é fácil (e nem deveria ser), mas quando chego na reta final e vejo tudo o que passei para tornar aquilo real, me sinto tão orgulhosa e satisfeita comigo mesma.

Recentemente mergulhei mais uma vez de cabeça em um desses sonhos. Houve momentos em que achei que não seria possível ou que estava me iludindo, porém, o sonho dentro de mim era muito mais forte. Ele latejava e me incentivava todos os dias a continuar perseguindo aquele objetivo.

Ao mesmo tempo, todo esse meu lado sonhadora sempre me fez questionar pessoas que, aparentemente, não têm sonhos. Ou então pessoas que têm sonhos mas não fazem nada muito concreto para realizá-los. Sempre questionei que sonhos são bonitos no plano imaginário, mas se ficarem lá por muito tempo apenas atrasam as nossas vidas. Isso porque ficamos idealizando esses sonhos enquanto nos sentimos insatisfeitos com as nossas vidas.

Não saímos do lugar, não concretizamos nada e os sonhos ficam lá, no plano imaginário. Triste, né? Eu amo sonhos e acho muito errado não nos esforçarmos para realizá-los. Eles precisam nos impulsionar – precisam fazer com que criemos coisas novas, tracemos novos objetivos.

Desde que publiquei o meu primeiro livro tive certeza de que a partir de então tudo seria possível. Hoje, me inspiro em pessoas que, assim como eu, sonham. Mas mais do que isso, pessoas que vão além do plano dos sonhos e realizam. Pessoas que concretizam seus sonhos e podem dizer: “eu consegui!”. 

Afinal, como cuidamos dos nossos sonhos irá refletir em como de fato eles transformarão as nossas vidas. 

 

Criadora do Para Preencher e autora do romance "Lola & Benjamin", acredita que as palavras têm poder próprio e são capazes de transformar, inspirar e libertar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *