Anúncios
Crônicas

A Blockbuster e um passado não tão distante

A Blockbuster fez parte da vida de várias crianças da década de 90 – eu fui uma delas. De vez em quando, a nostalgia me pega de jeito e fico relembrando um mundo de coisas que vivi e hoje já não existem mais.

Esses dias me peguei pensando na época em que ir à Blockbuster no fim de semana era um grande evento. Pedir para a minha mãe para alugarmos um filme era como conquistar um baita prêmio. Se tivesse pipoca junto então… Virava o maior festão da semana.

Eu me lembro até hoje do cheirinho da Blockbuster; dos balões espalhados pela loja; dos paredões de filmes implorando para serem alugados. Era tudo muito mágico.

Onde moro, além da Blockbuster, tinha um outro lugar com a mesma proposta chamado “Home & Video” se não me engano. Era enorme e ficava ao lado de um restaurante que íamos bastante aos fins de semana. Sempre que terminávamos a refeição, comíamos um chocolatinho de menta e íamos à “Home & Video”. Essa era outra baita experiência – eu e a minha irmã simplesmente adorávamos passear pelos corredores daquele lugar.

Não faz tanto tempo assim que tudo isso aconteceu, mas de vez em quando a nostalgia me atinge em cheio. Fico relembrando momentos assim, que me despertam uma saudade danada de um passado não tão distante assim.

As crianças do futuro jamais saberão como era a experiência de alugar um filme no final de semana e como esse simples ato proporcionava um prazer indescritível. Jamais saberão o que é reunir a família toda para assistir o filme alugado na sábado à noite porque no dia seguinte já é preciso devolver o filme para não pagar multa.

De fato, essas crianças não terão muitas referências daquilo que fez parte da minha infância, assim como eu também não tive as referências que fizeram parte da vida dos meus pais. É normal. A vida é um eterno ciclo, mas às vezes dói, né? É difícil explicar as razões desse sentimento, mas parece que a evolução do mundo vai tirando um pedacinho de nós. As coisas começam a ser substituídas e, consequentemente, são jogadas no túnel do esquecimento.

Um futuro sem Blockbuster: a vida é eterno movimento

Em um futuro ainda distante, ninguém mais se lembrará da Blockbuster e da sensação de alugar um filme em uma loja física. Fico me questionando se, um dia, o mesmo acontecerá com os livros, por exemplo. Será que deixarão de existir de fato? Não gostaria de estar aqui para assistir isso.

Bom, mas o fato é que, lembranças assim me fazem sorrir e entristecer ao mesmo tempo – mantenho-as vivas em meu coração, assim como quando me lembro dos tempos em que ia às lojas de brinquedo escolher um presente de aniversário.

Aquele universo infantil era simplesmente espetacular. Tantos brinquedos e eu tão pequena diante deles. A sensação de passar a tarde no shopping com a minha mãe e avó escolhendo uma Barbie, um jogo de tabuleiro, uma Polly Pocket, ou qualquer outra coisa, era como ganhar a loteria.

Pequenas coisas que, simplesmente, ficaram para trás. Assim como a Blockbuster e tantas outras marcas e serviços que morreram ao longo dos anos, as minhas tardes escolhendo um brinquedo na PBKids ou na Rihappy também se foram.

São referência antigas, que ficaram num canto da minha memória, mas que vira e mexe voltam para me relembrar de que, mesmo tudo mudando o tempo todo, algumas coisas não morrem nunca dentro de nós – algumas coisas simplesmente aconteceram há bastante tempo, mas nunca serão um passado tão distante assim.

Anúncios

Criadora do Para Preencher e autora do romance "Lola & Benjamin", acredita que as palavras têm poder próprio e são capazes de transformar, inspirar e libertar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *