Anúncios
como publicar um livro
Literatura

Como publicar um livro: dicas essenciais para fazer boas escolhas

Há pouco tempo escrevi um artigo dando algumas dicas sobre como escrever um livro. Reforço novamente que não existe fórmula pronta que funcione para todo mundo, mas com certeza é possível usufruir dessas e de tantas outras dicas para construir o processo ideal para você. Dessa vez, as dicas são sobre como publicar um livro.

Como no artigo anterior, vou trabalhar as dicas baseando-me na minha experiência. Acho que dessa forma o relato fica mais real e também proprietário. Tudo o que eu disser aqui será pautado no que vivi – é claro que se trata apenas da minha opinião e por isso vale considerar outras fontes antes de tomar a sua decisão

Como publicar um livro: quais são as principais maneiras?

Antes de mais nada é preciso explorar um pouco melhor os caminhos que existem para se publicar um livro. Só assim é possível tomar uma decisão realmente embasada e alinhada às suas expectativas.

Editoras comerciais

São bem seletivas na escolha dos livros, pois arcam com todos os custos de publicação da obra.

Este tipo de editora não exige que os autores contribuam com nem um centavo e muito menos obrigam que comprem parte da tiragem de livros.

Justamente por esses tipos de editoras ganharem dinheiro vendendo livros, são bem criteriosas e, dificilmente, publicam autores novos que não têm um público tão consolidado ou livros que têm baixo potencial de venda.

Editoras prestadoras de serviços

As editoras prestadoras de serviço funcionam de uma forma bem diferente. Elas não avaliam criteriosamente os originais que recebem como fazem as editoras comerciais. Isso porque os autores pagam para publicar e a editora apenas presta os serviços de revisão, diagramação, capa e impressão.

Nesses casos, a divulgação e distribuição é bem fraca, pois a editora não ganha volume de dinheiro com a venda de livros e sim com o valor que cobra dos autores para publicar. Além disso, é comum obrigar os autores a comprarem uma parte da tiragem de livros.

Publicação independente

É viável também a publicação sem nenhum vínculo com editoras. Neste formato o autor contrata serviços de profissionais independentes, como um revisor, um diagramador, um ilustrador, uma gráfica e até alguém para gerar o ISBN e fazer a ficha catalográfica.

Diante de um cenário de mercado editorial em que de um lado temos editoras extremamente seletivas e do outro o autor é cobrado um valor muito alto, a publicação independente pode ser um bom caminho. Além disso, neste caso 100% dos lucros ficam para o autor.

Publicação apenas de livro digital

Para os apaixonados por livros em formato online esse pode ser um caminho interessante.

Um bom exemplo é a ferramenta de autopublicação da Amazon, “Kindle Direct Publishing”, que é uma ótima alternativa para quem quer otimizar todo esse processo. Outro ponto positivo é que não é cobrado nada para manter o seu livro ativo dentro da plataforma.

Experiências reais, aprendizados reais

Bom, agora que já abordamos as principais formas de se publicar uma obra, vamos falar do que interessa: o que fazer em relação a tudo isso?

A publicação do meu primeiro livro

Vou contar sobre a minha experiência porque acho que isso pode ajudar. Como todos sabem, sou uma escritora iniciante. Por mais que tenha publicado um livro, não vendi horrores e nem fiquei famosa. Apenas publiquei porque era uma forma de alcançar mais pessoas com as minhas históriasfoi uma espécie de projeto pessoal.

A minha pretensão inicial era apenas escrever, eu não fazia ideia de como publicar um livro, por isso não fui muito criteriosa na escolha da editora. Acabei optando por uma prestadora de serviço que cobrava bem caro, mas que, naquela época, parecia ser a única opção.

Para facilitar, fiz uma campanha no Catarse para arrecadar uma parte do dinheiro, o que foi bem interessante e fez várias pessoas se engajarem com o projeto.

A experiência com a editora, no entanto, foi bem decepcionante. Apesar da comunicação fluir bem e todos serem atenciosos, as entregas deixaram muito a desejar e tive que buscar um revisor e um ilustrador por fora para executar parte do trabalho.

Outro ponto que me incomodou bastante foi que não tinha ninguém com um olhar crítico para avaliar a minha obra. Era apenas eu comigo mesma. A real é que essas editoras não estão nem aí e se você tiver escrito um monte de baboseiras, nem notarão.

Isso foi bem ruim, porque tenho certeza de que meu livro poderia ter passado por inúmeras melhorias que, na época, eu não enxergava ou simplesmente não tinha conhecimento o suficiente sobre.

E não vamos nem falar sobre a divulgação, ok? Não deram absolutamente nenhum suporte, mas tudo bem porque eu realmente nem esperava por isso.

A publicação do meu segundo livro

Já no segundo livro, que está em todo esse processo agora, foi ainda mais complicado. Busquei por uma editora menor com a expectativa de que muito do que aconteceu da primeira vez não se repetisse.

Infelizmente, a decepção em relação aos serviços prestados foi tão grande que achei melhor fazer a rescisão do contrato no meio do caminho.

Estava angustiada e muito infeliz com todas as preocupações que a editora me causava. É claro que não foi o ideal interromper o processo assim no meio, mas com certeza vai ser melhor no longo prazo.

O que levar em consideração na sua escolha?

Agora que você ouviu algumas histórias reais de uma escritora, pode ficar mais fácil entender quais caminhos fazem ou não sentido para a sua publicação.

O que eu aprendi com essas duas experiências foi que, considerando que sou uma escritora iniciante, não devo esperar muito das editoras. São poucas as que tratam com carinho e respeito escritores pequenos. É preciso aceitar essa realidade e entender o que é possível fazer diante dela.

Posso dizer que após vivenciar dois processos bem difíceis (cada um da sua maneira), resolvi tirar um tempo de editoras. Não quero mais ficar implorando para publicarem meus livros e nem me chateando com serviços de baixíssima qualidade.

Justamente por isso decidi que, a partir de agora, meu objetivo é fazer de forma independente. Por mais assustador que possa parecer no início, me dei conta de que eu só precisava da editora para duas coisas: ISBN/ficha catalográfica e impressão. Isso porque o restante dos serviços que as editoras me ofereceram não foram nem um pouco satisfatórios e eu já sei o caminho das pedras.

Para tomar a sua decisão quanto à publicação de livros, leve em consideração alguns fatores como:

  • Quanto você está disposto a gastar na publicação? Há editoras que cobram de 6 a 9 mil reais de um autor. Publicar de forma independente pode ser uma solução mais barata.
  • Você quer ganhar quanto de dinheiro com as vendas? As editoras costumam dar uma porcentagem muito baixa para os autores, enquanto com publicações independentes você fica com 100% do valor.
  • O quão detalhista e criterioso você é? Várias editoras não ajudarão efetivamente na qualidade da sua obra. Às vezes vale mais a pena considerar contratar profissionais independentes nos quais você confia para executarem as diferentes partes do processo.
  • Como você quer vender seu livro? As editoras podem ajudar a colocar a obra nas livrarias, então se isso for muito importante para você, considere a opção.

Resiliência e paciência são primordiais durante todo o processo

Um aprendizado bem importante que tive nos últimos anos sobre como publicar um livro foi que as dificuldades sempre aparecerão. Independentemente do tipo de processo que você escolher, ele terá alguns obstáculos.

É preciso ter muita certeza de que você quer vivenciar e concluir essa jornada, caso contrário, se tornará muito mais pesado do que deveria.

Mesmo assim, a sua escolha com certeza irá definir boa parte desse caminho a ser trilhado e, por isso, fica o meu conselho final. Se optar fazer com uma editora, estude bem as opções antes de escolher. Mas se decidir fazer de forma independente, tenha certeza de que você tem total clareza dos processos, pois não terá ninguém para te auxiliar tão de perto.

Basicamente, o processo contempla:

  • Revisão
  • Diagramação
  • Ilustração da capa
  • ISBN e ficha catalográfica
  • Impressão
  • Distribuição e divulgação

Apesar de ser bem complexo e trabalhoso, publicar um livro é prazeroso para quem realmente ama a literatura.

Em alguns momentos é normal desanimar, mas o importante é continuar acreditando. Não há nada mais gratificante do que pegar o seu livro físico e ler o seu nome lá. Eu garanto: a sensação é indescritível e vale todo o esforço.

Gostou do conteúdo e quer ler mais dicas sobre escrita? Receba todos os textos clicando aqui para se inscrever na nossa newsletter!

Anúncios

Criadora do Para Preencher e autora do romance "Lola & Benjamin", acredita que as palavras têm poder próprio e são capazes de transformar, inspirar e libertar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *